Cadeados do amor em Lisboa

Quem se lembra do post que fiz sobre os cadeados do amor na Ponte do Brooklyn?

Em Lisboa eu encontrei amor de Fábio com João, amor de Célia com Thomás, amor de Catarina com Cláudia, amor de Phillip com Maureen, amor de André com Lily e até o amor de um Forever Alone…

003

Essa semana passeando por Lisboa encontrei mais desses cadeados românticos em lugares diferentes da cidade. Lá do alto do elevador de Santa Justa, onde vi os primeiros, tirando várias fotos e me deparando com cadeados de casais de todos os tipos, eu não pude deixar de imaginar como teria  sido cada cena. Apaixonados, trocando beijos e abraços, jurando amor eterno, ou apenas desejando juntos que aquele friozinho na barriga perdurasse ainda por bastante tempo.

004

Quantos anos essas pessoas tem? Onde elas estão agora? Será que voltam de tempos em tempos para ter certeza que o cadeado continua ali? Ou fizeram uma promessa daquelas que é preciso esperar dez anos para se saber o que aconteceu? Fiquei sonhando acordada, sentindo a energia de Lisboa lá de cima e torcendo para que cada um desses casais ainda tenha o amor no coração e as borboletas no estômago. Desejei que cada um deles pudesse ter um amor de contos de fada.

002

Acho que estar apaixonado é uma das melhores sensações da vida. E não acho que isso tenha a ver apenas com estar apaixonado por outra pessoa. Por mim, eu teria prendido um cadeado Eu ❤ Vida sem problema algum! Uma das coisas que eu mais gostei, foi de encontrar os cadeados em lugares diferentes. E se ao invés de sobrecarregarmos as pontes e jogar nossas chaves por aí, cada um tivesse um cantinho especial no mundo para eternizar nossos amores?

009

Eu agora quero escolher um bem querido para ser meu segredo com a vida… Ando tão feliz que quase não cabe mais em mim, preciso transbordar e colocar toda essa felicidade para o mundo também.

006

010

005

001

008

Ai, Lisboa… tem trazido à tona o melhor de mim!

 

 

 

Anúncios

Eu acredito em mágica

IMG_5106

Eu mal tinha acabado de postar o texto anterior a este e logo minha inspiração surgiu e pediu para que eu colocasse o tamanho da minha alegria no “papel”. Mas também… acabo de vir de um lugar tão maravilhoso! Qualquer um que passasse por onde acabei de passar, e com essa luz deliciosa de fim de tarde se sentiria explodindo de inspiração.

IMG_5062

Enquanto andava por esse cenário delicioso, senti a brisa fresca no meu corpo, deixei o vento me descabelar inteira e do fundo do coração pensei: estou num castelo, e tenho certeza de que sempre ter acreditado em mágica tem muito a ver com isso.  Talvez por isso meus sentidos tenham ficado à flor da pele ali. Podem me chamar de maluca… mas eu sempre tive problemas em aceitar algum tipo de religião. Não que eu não acredite em nada, muito pelo contrário. Acredito tanto no poder da vida que preferi e achei que combinava mais comigo chamar de mágica! Mágica sim porque as sincronicidades que me acontecem e os presentes que eu ganho da vida só podem vir de algum tipo de energia boa.

IMG_5047

Cada vez que eu supero uma crise, ou olho para trás e percebo de verdade tudo que eu já vivi, tenho muito orgulho de ter desenhado uma vida tão cheia de oportunidades e sou sempre grata por estar viva. Eu adoro rir até a barriga doer, adoro pisar em folhas secas, adoro sentir um ventinho de verão quando meu corpo está quente e tenho feito muito de tudo isso aqui. Aliás, não ria do jeito que tenho dado risada há tempos… É uma alegria que está me consumindo!

IMG_5118

O que eu quero dizer é que, enquanto eu estava em um castelo aqui em Portugal, eu percebi que talvez eu devesse confiar mais no que a vida prepara para mim. O final do ano passado foi um ano muito complicado e o começo desse tão conturbado quanto. Mas se eu não tivesse percorrido todos esses caminhos, não teria tido a chance de colecionar todas as memórias boas do que eu estou vivendo.

Estou há 6 dias em Portugal e ganhei um ar tão novo para respirar que nem sei como agradecer.

Obrigada, vida! ❤

 

Doce Crise em Lisboa

Tease_Port

A notícia surpresa chegou: minhas crises estarão em Lisboa durante esse mês!

Como vocês sabem, comecei o blog depois de sair do meu emprego e depois de ter ficado sem férias por quatro anos. Tirei um mês para mim, fui para Nova York, Richmond e Washington e, agora, como a vida é boa, ela me trouxe para Lisboa a trabalho!

Mas como nem tudo é um mar de rosas e este é um blog sobre crises, vamos a elas! Tudo começou com um chororô danado de pré-saudade do meu namorado e da minha família e um lindo atraso de cinco horas do voo. Eu disse CINCO. E isso nunca tinha me acontecido antes. Pela primeira vez na vida, eu precisei transportar medicamentos em um avião e os danados precisavam ser conservados em geladeira. O que aconteceu? Mesmo com o frio de São Paulo, mesmo com uma porção de gelos dentro do isopor, mesmo comigo falando sobre eles o tempo todo, mesmo conseguindo um espacinho na geladeira do avião… Quando finalmente fui abrir a embalagem: metade da quantidade estava estragada e foi para o lixo.

IMG_4982

Mas, chegando a Lisboa, nosso hotel (meu e da menina que veio comigo (calma que eu já explico tudo)), era lindo e confortável. Todo preto (não tô brincando, gente, até o banheiro era preto), mas lindo e confortável. O problema é que eu não sou muito boa de sono em aviões e fuso-horários. Dormi super cedo, acordei no meio da noite, não durmi mais e fui para o meu primeiro dia de trabalho na editora um CACO. Estilo zumbi.

Mas então, o que é que eu vim fazer aqui? Para quem não sabe: eu faço livros. Sou editora e desde 2009 trabalho no mercado editorial do Brasil. Vim para cá para fazer um treinamento em uma editora portuguesa que abrirá a filial no Brasil ainda este ano. Eu e a Vitoria, que é dona do blog A Vi Viu, estamos aqui em Lisboa aprendendo a viver esta nova vida por um mês enquanto trabalhamos com o que é uma paixão para nós duas: livros.

20140729_193015

Para ser sincera, o que nos tem deixado mais apaixonadas nesses dias é nosso apartamento e as vistas lindas que temos ao redor… A paisagem que vemos do nosso banheiro é um privilégio e transmite uma calmaria tão grande que qualquer crise vai embora.

(Podem ficar babando com a nossa “morada”. Não é liiiinda? A última foto é a da vista do banheiro.)

E é assim que eu sempre tento levar meus dias. Vivo de fúrias e doçuras e acho que essa é a melhor forma de viver a vida, aproveitando todos os momentos, mesmos os ruins, para poder perceber com toda a sensibilidade a beleza das coisas boas.

Crises até Nova York

Quando eu tive a ideia de começar esse blog, foi justamente porque eu sou uma pessoa de crises e porque eu sabia que elas continuariam a existir na minha vida. Então hoje, eu vim aqui contar pra vocês como foi a minha chegada até Nova York e também como foram meus primeiros dias, e vou contar da forma mais sincera possível.

Primeiro, antes de sair de casa para o aeroporto, São Pedro resolveu que seria dia de chuva em SP. E isso me deixou de cabelo em pé preocupada com o trânsito que eu ia pegar para chegar lá. Fiz todo mundo (pai, mãe, irmã e namorado) correr para sair o mais rápido possível.

Chegamos cedo. E ao fazer o check-in o atendente me informou que era melhor eu não demorar para embarcar porque a Polícia Federal estava em greve e a fila para passar estava grande. Depois do chororô de despedida (e como eu chorei!), entrei na imensa fila. E adivinhem só, quando chegou a minha vez descobri que estava na fila errada! Ê, que alegria! Sinalização super benfeita, tá? Voltei pro final da fila, dessa vez a certa, e passei bem rápido pelo Duty Free, sem comprar nada.

No avião, percebi que meu sono tinha resolvido ficar em São Paulo e passei horas vendo filmes na melhor intenção de trazê-lo de volta. Só consegui um cochilo; o misto de ansiedade e medo venceram. Medo sim, porque apesar de estar muito feliz por vir sozinha, o frio na barriga sempre fica ali do lado cochichando todas as coisas que podem dar errado.

Quando cheguei em Washington para fazer a conexão para NY dei de cara com outra fila imensa na imigração. E aí eu pirei mesmo, pirei com vários outros brasileiros porque a fila não andava e o meu voo (e o de várias outras pessoas) sairia em quarenta minutos.

Respirei fundo e com o maior sorriso de “nem tô preocupada” perguntei para a mocinha que estava organizando as filas se daria tempo de pegar a conexão. Ao que ela respondeu sem sorriso nenhum: “se você perder seu voo daremos um jeito e te colocaremos em outro”. MOÇA, é o quê? Meu estômago embrulhou, minha respiração acelerou e tudo o que eu podia fazer era cruzar os dedos para a fila andar.

Ela andou. E eu descobri o por que eu faço esteira toda noite na academia. Corri (corri mesmo, gente) vinte minutos até chegar no terminal que precisava (carregando minha mochila mega pesada). Foi então que finalmente o meu sono deu as caras e eu dormi mais quarenta minutinhos no avião até aqui.

E cheguei! E Nova York é linda e ao mesmo tempo assustadora. Eu não queria perder tempo no primeiro dia, então cheguei no hotel, joguei as malas, peguei o que precisava e sem pensar muito fui até o metrô mais próximo para chegar na Times Square.

Vou ser honesta e dizer que a minha primeira reação, foi um medo tão grande que eu quase quis ficar trancada no quarto. Mas percebi que eu precisava enfrentar aquilo e sem pensar muito, porque se ficasse pensando nos “e se…” eu não ia sair do lugar.

Eu quis e planejei essa viagem por tanto tempo! Não seria justo comigo mesma deixar o medo me vencer e depois ir embora arrependida, não é?

Ganhei uma bela gripe por não ter comido e dormido direito, mas de lá até hoje já consegui ir na Times Square, High Line Park, Madame Tussauds (o museu de cera), Museu de História Natural, Central Park e a ponte do Brooklyn. Sendo que essa última vai ganhar um post especial essa semana porque, como eu disse antes, sou uma pessoa de crises (bem azarada às vezes) e o que a gente faz quando está NO MEIO da ponte, sem guarda-chuva, e cai a maior tempestade?

Vocês vão saber quarta-feira.

Enquanto isso, deixo vocês com algumas fotos que tirei até agora.

Image

Times Square

Image

Vista do High Line Park

Image

Virei Spice Girl no Madame Tussauds

Espero que tenham gostado do post!

Logo, logo mando mais novidades.

Beijos

Arrumando a mala sem crise!

Oi, gente! Hoje falta exatamente um dia para a minha viagem para Nova York, eu estou MUITO ansiosa e desde ontem eu já estou me preparando para arrumar a mala. Sabe como é, né? Nem dormir consigo mais!

Conheço muita gente que detesta essa parte de viajar, mas eu confesso que não é a pior parte pra mim. Acho que desfazer a mala e colocar tudo de volta no lugar é muito mais sem graça e entediante. Não acham?

Antes de começar qualquer coisa, é importante definir qual mala levar. Comece fazendo perguntas simples para si mesma: quantos dias vai passar no lugar? Qual é o clima de lá no momento? Pretende fazer muitas compras e precisa de espaço livre para a volta? Qual será seu meio de transporte? Imaginar com antecedência em quais tipos de situações você estará ajuda muito na hora de escolher o tipo da mala (de carrinho, de mão, mochila…).

Agora, calma. Começar a tirar toda e qualquer coisa do armário não vai adiantar em nada e isso pode te deixar apenas mais nervosa com a situação.  O que mais me ajuda nessas horas de crise é fazer uma lista de tudo que eu não posso esquecer.

Edit_01

Com o tempo, aprendi que se eu dividisse essa lista em “seções” e depois fosse apenas preenchendo com a quantidade e o tipo da roupa que eu pretendia levar isso facilitava ainda mais as coisas.

Vamos começar com a parte importante: roupas. Você pode subdividir essa seção da forma como preferir, até porque isso varia um pouco dependendo do lugar para onde está viajando. Aqui embaixo tem um exemplo de como fiz a minha:

Roupas:

Dia a dia
– 7* camisetas/blusinhas
– 1 legging básica
– 1 legging de exercício
– 3 calças jeans
– 3 vestidos
– 2 casacos
– 2 shorts

* A quantidade varia de acordo com o período que você vai ficar fora, pense nisso e não exagere! Além disso, se estiver pretendendo comprar novas roupas (como é o meu caso) você não precisa encher a mala para ir.

Noite
– 2 vestidos de noite

Íntima e pijama

– Calcinhas
– Sutiãs
– 1 camisola
– 1 pijama
– 4 meias
– 2 meias-calças

Enquanto estou separando as roupas no armário, já gosto de ir pensando na combinação e também em peças coringas que podem ser usadas de várias maneiras. Assim não fico refém de um único look, até porque nosso humor sempre muda e você pode mudar de ideia sobre uma roupa alguns dias depois.

Em seguida, gosto de passar para a organização dos sapatos. Tento não pensar em muitas opções de cor e sim em opções versáteis que também posso combinar com mais de uma roupa.

Sapatos*:

– 1 Tênis
– 1 Chinelo
– 2 Sapatilhas
– 1 sapato de salto
– 1 Bota

* Lembre-se, isso é apenas uma ideia. Se você estiver indo para a praia troque a bota e as sapatilhas por alguma sandália, rasteirinha ou o que preferir!

Edit_02

Agora vem a parte que eu mais gosto de arrumar na mala! Produtos de higiene pessoal e minha tão amada maquiagem ( ❤ ).

Minha pele é mista e geralmente me dá um pouco de trabalho, principalmente em dias mais frios e secos já que a zona T fica um pouco mais oleosa e as bochechas ressecadas. Sendo assim não posso ficar sem meu hidrante. Além disso, não fico sem protetor solar durante o dia e portanto essa listinha é essencial (e a mais divertida!) para mim:

Higiene:

– Escova e pasta de dente
– Fio dental
– Desodorante
– Shampoo e condicionador
– Absorvente
– Lencinho demaquilante (acho mais prático de carregar do que os produtos que geralmente uso em casa)
– Sabonete
– Protetor solar
– Hidratante para o rosto

* Não se esqueça de acrescentar produtos específicos se estiver usando algum recomendado pela sua dermatologista.

Normalmente eu levaria muita maquiagem para essa viagem, mas por se tratar de Nova York e por eu estar planejando comprar novas coisas por lá separei o básico para o dia e a noite:

Maquiagem:

– Base
– Blush
– Corretivo
– Escovinha/fixador para sobrancelha
– Batom básico
– Batom para noite
– Pincéis
– Sombras básicas ou paleta de sombras com bastante opção de cor
– Rímel

* Tentei pensar em maquiagens que eu realmente uso e sei que vou usar todos os dias. Não sou fanática por lápis e posso abrir mão do meu delineador por alguns dias para poder comprar novas coisas por lá, mas faça essa lista pensando em você, no seu estilo e no que você pretende e sabe que vai usar. Assim a mala não fica tão pesada, mas você também não se sente “desamparada”!

Acessórios:

– Prendedores de cabelo (vários, porque eles têm vida própria e desaparecem!)
– Grampos ou presilhas
– Escova de cabelo
– Duas ou três opções de brinco
– Duas ou três opções de colar
– Cintos
– Lenços ou cachecóis

* Acrescente anéis, pulseiras e outras coisas que costuma usar, ou tire coisas da lista que com certeza você não irá precisar.

Úteis:

– Adaptador de tomada (se estiver saindo do país)
– Remédios
– Caderninho e caneta (se você também gostar de escrever loucuras por aí)
– Carregador de celular
– Tesourinha
– Lixa de unha
– Bolsa menor para sair à noite

E para a bolsa de mão as coisas essenciais e que não podem, ou não devem, ir na mala normal:

Bolsa de mão:

– Documentos
– Carteira
– Passagem
– Roteiros
– Pasta com informações extras e vouchers
– Óculos de sol
– Notebook
– Câmera
– iPod
– Livro
– E um protetor labial porque, eu não sei vocês, mas o ar condicionado do avião sempre me deixa com a boca seca.

Uma outra dica interessante para quem pretende fazer bastante compras na viagem é levar uma mala, daquele tipo sacola, vazia para pode dividir o peso na volta.

E agora a parte final, como guardar tudo isso?

Gosto de colocar os sapatos em saquinhos individuais e colocar no fundo da mala. Em seguida coloco as roupas mais pesadas, como casacos e calças jeans. As roupas íntimas guardo no bolso interno da mala junto com as meias. E depois disso vou colocando tudo dobrado por cima deixando por último as roupas com tecidos mais “chatinhos” e que podem amassar.

As maquiagens coloco em um nécessaire e os produtos de higiene pessoal em outro. E, aos poucos, tudo vai se encaixando na mala. Essa parte sim requer um pouquinho mais de paciência, mas como tudo já foi pensado antes, todo esse processo acaba não sendo tão frustrante e irritante quanto costumava ser.

Edit_03

Aproveite a lista para fazer um checklist e ter certeza de que não esqueceu nada!

Ajudei?

Espero que tenham gostado!

Planejando mudanças!

Photo by ₢ Thaís Marin

Photo by ₢ Thaís Marin

Quando a gente está em crise precisa fazer o quê? Comer um hambúrguer triplo com direito a batata frita e sorvete. Superar! E uma ótima maneira de superar é fazendo novos planos.

Planejar mudanças requer um pouco de autoconhecimento, mas calma! Não precisa entrar na crise do “socorro, quem sou eu?” até porque a resposta para essa pergunta pode variar dependendo do dia ou do período do mês. Você só precisa se perguntar: o que eu quero fazer e o que é bom pra mim?

No meu caso, depois de passar quatro anos sem férias e ter que sair de repente de um emprego que eu amava, resolvi que precisava de novos ares antes de buscar novas opções, e me dei de presente uma viagem para Nova York.

E sim, gente. Vou sozinha! É possível ter experiências maravilhosas quando se viaja sozinha.

  • Você decide seu destino e exatamente o que e quando fazer.
  • Planeja os roteiros do seu jeitinho sem ter que ficar negociando horários e lugares com ninguém.
  • Passa horas fazendo compras sem que ninguém te apresse.
  • Cria memórias e vínculos afetivos com um lugar novo e com um ponto de vista todo seu.
  • E pode passar mais tempo consigo mesma e com seus sentimentos para aprender a se ouvir melhor. Afinal de contas, quem passa mais tempo nessa vida com você é você mesma, e essa relação TEM que ser boa.

Claro, muita coisa pode dar errado, mas a ideia é aprender a ver o lado bom da vida! Além disso, se a gente não der a cara a tapa e experimentar novas dificuldades, quem fará isso por nós?

Imagine que a sua vida é um livro e que você é o único que pode preencher as páginas em branco. E aí? O que você quer viver?

Confesso que planejar uma viagem totalmente sozinha está me trazendo novas e novas crises: e se eu me perder? O que eu faço primeiro? Qual lugar é melhor visitar? Monto um roteiro antes ou deixo a vida me levar? Passagem? Cartão de viagem? Comprar dólar? Lista de compras? Seguro de viagem? Conexão de voo? Quantas malas? O que levar na mala? Ai meu Deus: a mala (só essa vai dar um post inteirinho semana que vem) !!!

Tentei fazer tudo sozinha pelo site da Decolar.com e confesso que não me senti tão segura já que vai ser minha primeira vez na cidade. Resolvi então buscar uma agência de viagens para me ajudar e optei pela CI, Central de Intercâmbio, até porque fiz intercâmbio com eles em 2006. Ou seja, já viajei sozinha antes e com apenas 16 aninhos. Hoje olho pra trás e penso que foi uma grande loucura, mas também tenho certeza que foi uma das melhores experiências da minha vida.

Comprei o pacote City Breaks e adicionei algumas noites extras. Além disso, aproveitei pra encaixar uma passagem até Richmond, capital do estado da Virgínia, que foi onde eu morei em 2006 para poder visitar algumas pessoas que eu morro de saudade!

O frio na barriga não passa e a ansiedade já está transbordando, será que sobrevivo até o dia do embarque?

E você? Qual é a sua crise de hoje e o que quer fazer com ela?