Nova fase

00011

Eu não lembro quando foi, mas um dia eu acordei e vi a vida de outro jeito. Eu me apaixonei por ela, me apaixonei pelas oportunidades que cada dia pode trazer, aprendi a aceitar cada emoção que meu corpo me pedia para viver e percebi que esse relacionamento eu-vida vida-eu é um dos poucos que vai durar até o fim dos meus dias. É por isso que eu sempre converso comigo mesma e sempre tento resolver minhas crises.

Hoje, enquanto eu estava dirigindo nesse frio e nessa chuvinha chata de São Paulo, Epitáfio dos Titãs começou a tocar na rádio, numa versão acústica deliciosa (e eu adoro acústicos!). A música é antiga, mas sempre que eu ouço eu percebo que não quero sair do mundo sem sentir toda a magia que ele tem.

“Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer”

Quero uma vida dessas que eu leio nos livros, que eu vejo nos filmes. Quero dar o melhor de mim em tudo o que eu puder porque foi assim que as minhas heroínas fizeram as histórias delas. Eu quero uma, ou duas, ou até três páginas cheias de detalhes de cada dia que eu vivi. Acho que essa é uma das razões pelas quais eu sempre amei ler e escrever.

A partir de sábado, uma nova fase vai começar para mim. Uma fase daquelas que mudam tudo, mudam o jeito de ver o mundo e a forma como a gente lida com as coisas. Sabe quando o que a gente está para viver é uma coisa tão boa que dá medo de falar em voz alta? Parece que, se eu disser, a realidade virá correndo com um balde de água fria. Só que eu não vou deixar! 🙂

Por enquanto, eu digo para vocês que envolve livros e um destino novo e logo, logo vocês vão saber!

Anúncios

Perdida em Nova York!

IMG_4046

Oi, gente!

Esse post está sendo escrito diretamente do Aeroporto de Newark enquanto espero meu voo para Richmond, VA. (Chique, hein?)

Com o coração apertado, hoje é meu último dia em Nova York, uma cidade que eu sempre quis conhecer e que foi maravilhosa pra mim! Sei que esse é também o sonho de muita gente, e resolvi dar algumas dicas de como montar um bom roteiro de viagem.

Também resolvi aproveitar para falar uma coisa muito importante: você VAI se perder em Nova York. Aceite isso no seu coração e será muito mais fácil lidar com a crise de estar perdida em uma cidade nova e também um bom jeito de lidar melhor com a ansiedade e o frio na barriga.

Assim que comprei as passagens e tive mais noção dos meus horários de chegada e partida, comecei a montar meu roteiro. A primeira coisa que fiz foi listar todas as coisas que eu já sabia que queria conhecer, depois pedi dicas para quem já tinha ido e em seguida pesquisei sobre tudo isso na internet. Abri um arquivo no Word e fui separando os lugares “por dia”. Por exemplo: Segunda: Times Square, Disney Store, MAC, blá, blá, blá. Lembre-se de ter um mapa ou de ficar com a janela do Google Maps aberta para pesquisar a proximidade das coisas. Isso vai tomar um tempinho e parece bastante chato, mas eu juro que vai ajudar MUITO quando você chegar lá. Aproveite para comprar um City Pass antes de ir, é um livretinho com ingresso para todas as grandes atrações da cidade.

IMG_4095

Agora, antes de postar meu roteiro, vamos falar do medo, da insegurança, do frio na barriga e de tudo aquilo que acontece quando você finalmente chega na cidade! Eu sou de São Paulo, uma cidade de 12 milhões de habitantes. Pego metrô e ônibus todo dia e já estou meio acostumada com essa “hostilidade” que existe nas cidades grandes. Mesmo assim, eu confesso que assim que saí do aeroporto e percebi que estava sozinha e muito longe de casa me senti bastante insegura e fiquei com medo do que estava por vir.

O negócio é mesmo respirar fundo e enfrentar o medo para aproveitar a viagem da melhor forma possível! Como eu já disse em outros posts, a vantagem de viajar sozinha é que a flexibilidade e o controle do roteiro é totalmente sua. Então se não estiver se sentindo preparada para alguma coisa, deixe para depois! Não sofra. Viajar limpa a alma e não precisa ser estressante.

Uma coisa importante sobre Nova York, especialmente se você está indo sozinha e pela primeira vez: aprenda a ler mapas ou não tenha vergonha de parar as pessoas para perguntar. Force o sotaque! Faça cara de turista!  A cidade é CHEIA deles e as pessoas estão acostumadas a dar indicações.

No dia em que me perdi no West Village tentando achar o prédio do Friends, uma mulher (fofa, fofa, fofa!) saiu da loja dela, pegou o iPhone, abriu o Google Maps e me ajudou a encontrar o melhor caminho para chegar lá! Eu quase não acreditei. Mas no dia em que conheci os irlandeses na ponte do Brooklyn eles me disseram que algum tinha feito o mesmo por eles. Desconfie, mas não deixe de acreditar que ainda existe gente boa nesse mundo!

Prédio do Friends

Prédio do Friends

O melhor meio de se locomover em Nova York é com certeza o metrô, mas ATENÇÃO ele é bastante confuso. Eu usei todos os dias e, mesmo assim, ontem me perdi. Os dois blogs que melhor me “explicaram” como o metrô funciona foram esses aqui:

* Viaje na Viagem http://www.viajenaviagem.com/2009/09/para-entender-o-metro-de-nova-york

* Desfazendo as malas http://desfazendoasmalas.com/2013/05/23/metro-de-nova-york

Mas recomendo que você pegue um mapa do metrô no hotel, rabisque o quanto precisar e pergunte, pergunte e pergunte de novo sempre que estiver insegura, e para lugares mais complexos: pegue um taxi! Só esteja preparado para um trânsito bastante complica a la Avenida Paulista em dia de manifestação.

Ai, droga! O post ficou enorme! Então para encurtar de uma vez, aqui vai o roteiro (com comentários) que fiz para mim:

Dia 1

  • Descobrir onde fica o metrô mais próximo, pegar um mapa e comprar o bilhete ((ah! Quase esqueci, se você pretende usar bastante o metrô compre o que vale para uma semana, é bem mais prático do que ficar recarregando))
  • Times Square (46th St Between 6th Ave and 7th Ave)
  • Forever 21 (1540 Broadway, New York, NY 10036, United States +1 212-302-0594)
  • Disney Store (1540 Broadway, New York, NY 10036)
  • Toys r us (1514 Broadway New York, NY, Estados Unidos)
  • MAC (1540 Broadway, New York, NY 10036, United States, +1 646-355-0296)

Dia 2

  • Café da manhã na Starbucks mais próxima (241 Canal St, New York, NY 10013)
  • Madame Tussauds (234 W 42nd St, New York, NY 10036, Estados Unidos)
  • High Line (Rua 30 com 10ª Avenida (desça na Penn Station e ir caminhando até o final para ficar mais perto do West Village)
  • West Village

o   Milk & Cookies Baker – 19 Commerce St, entre Bedford St e Bleecker St

o   Prédio Friends (Corner of Bedford and Grove, Manhattan, New York City, New York, USA)

  • Atravessar a ponte do Brooklyn

Dia 3

  • Comprei um City Tour de 4 horas pela Gray Line (Gray Line Visitor Center: 777 8th Avenue – Between 47th and 48th street)
  • American Museum of Natural History including Space Show (Central Park W and 79th St, New York, NY 10024)
  • Central Park
  • AppleStore

Dia 4

  • Estátua da Liberdade e Ellis Island
  • Ground Zero
  • MET (The Metropolitan Museum of Art): 1000 5th Ave, New York, NY 10028
  • Magnolia Bakery próxima do Rockefeller Center para comer o famoso Red Velvet
  • Loja da NBC que fica praticamente no mesmo prédio do Rockefeller center
  • Rockefeller Center + Top of the Rock

Dia 5

  • Empire State (350 5th Ave, New York, NY 10118)
  • Dia livre para: shopping!
  • Almoço no Little Italy Pizza
  • Wicked: 19:00 – Gershw Theatre (222 West 51st Street, New York, NY 10019, located between Broadway and 8th Avenue) – chegar uma hora antes para retirar o ingresso)

 Dia 6

  • BEA – Book Expo America (porque eu trabalho com livros e sempre quis conhecer. Aproveitei para assistir umas palestras por lá, mas a feira acontece uma vez por ano e apenas para profissionais da área).
  • Dia livre para: shopping again!
  • Almoço no P.J. Clarke’s
  • Bloomingdale’s Soho: 504 Broadway, Nova Iorque, NY 10012, Estados Unidos
  • Aladdin: 20:00 – Venue: New Amsyerdam Theatre ( 214 West 42nd Street, New York, NY) – chegar uma hora antes para retirar o ingresso)

Dia 7

  • Check out do hotel e ida para Richmond

Crises até Nova York

Quando eu tive a ideia de começar esse blog, foi justamente porque eu sou uma pessoa de crises e porque eu sabia que elas continuariam a existir na minha vida. Então hoje, eu vim aqui contar pra vocês como foi a minha chegada até Nova York e também como foram meus primeiros dias, e vou contar da forma mais sincera possível.

Primeiro, antes de sair de casa para o aeroporto, São Pedro resolveu que seria dia de chuva em SP. E isso me deixou de cabelo em pé preocupada com o trânsito que eu ia pegar para chegar lá. Fiz todo mundo (pai, mãe, irmã e namorado) correr para sair o mais rápido possível.

Chegamos cedo. E ao fazer o check-in o atendente me informou que era melhor eu não demorar para embarcar porque a Polícia Federal estava em greve e a fila para passar estava grande. Depois do chororô de despedida (e como eu chorei!), entrei na imensa fila. E adivinhem só, quando chegou a minha vez descobri que estava na fila errada! Ê, que alegria! Sinalização super benfeita, tá? Voltei pro final da fila, dessa vez a certa, e passei bem rápido pelo Duty Free, sem comprar nada.

No avião, percebi que meu sono tinha resolvido ficar em São Paulo e passei horas vendo filmes na melhor intenção de trazê-lo de volta. Só consegui um cochilo; o misto de ansiedade e medo venceram. Medo sim, porque apesar de estar muito feliz por vir sozinha, o frio na barriga sempre fica ali do lado cochichando todas as coisas que podem dar errado.

Quando cheguei em Washington para fazer a conexão para NY dei de cara com outra fila imensa na imigração. E aí eu pirei mesmo, pirei com vários outros brasileiros porque a fila não andava e o meu voo (e o de várias outras pessoas) sairia em quarenta minutos.

Respirei fundo e com o maior sorriso de “nem tô preocupada” perguntei para a mocinha que estava organizando as filas se daria tempo de pegar a conexão. Ao que ela respondeu sem sorriso nenhum: “se você perder seu voo daremos um jeito e te colocaremos em outro”. MOÇA, é o quê? Meu estômago embrulhou, minha respiração acelerou e tudo o que eu podia fazer era cruzar os dedos para a fila andar.

Ela andou. E eu descobri o por que eu faço esteira toda noite na academia. Corri (corri mesmo, gente) vinte minutos até chegar no terminal que precisava (carregando minha mochila mega pesada). Foi então que finalmente o meu sono deu as caras e eu dormi mais quarenta minutinhos no avião até aqui.

E cheguei! E Nova York é linda e ao mesmo tempo assustadora. Eu não queria perder tempo no primeiro dia, então cheguei no hotel, joguei as malas, peguei o que precisava e sem pensar muito fui até o metrô mais próximo para chegar na Times Square.

Vou ser honesta e dizer que a minha primeira reação, foi um medo tão grande que eu quase quis ficar trancada no quarto. Mas percebi que eu precisava enfrentar aquilo e sem pensar muito, porque se ficasse pensando nos “e se…” eu não ia sair do lugar.

Eu quis e planejei essa viagem por tanto tempo! Não seria justo comigo mesma deixar o medo me vencer e depois ir embora arrependida, não é?

Ganhei uma bela gripe por não ter comido e dormido direito, mas de lá até hoje já consegui ir na Times Square, High Line Park, Madame Tussauds (o museu de cera), Museu de História Natural, Central Park e a ponte do Brooklyn. Sendo que essa última vai ganhar um post especial essa semana porque, como eu disse antes, sou uma pessoa de crises (bem azarada às vezes) e o que a gente faz quando está NO MEIO da ponte, sem guarda-chuva, e cai a maior tempestade?

Vocês vão saber quarta-feira.

Enquanto isso, deixo vocês com algumas fotos que tirei até agora.

Image

Times Square

Image

Vista do High Line Park

Image

Virei Spice Girl no Madame Tussauds

Espero que tenham gostado do post!

Logo, logo mando mais novidades.

Beijos

Arrumando a mala sem crise!

Oi, gente! Hoje falta exatamente um dia para a minha viagem para Nova York, eu estou MUITO ansiosa e desde ontem eu já estou me preparando para arrumar a mala. Sabe como é, né? Nem dormir consigo mais!

Conheço muita gente que detesta essa parte de viajar, mas eu confesso que não é a pior parte pra mim. Acho que desfazer a mala e colocar tudo de volta no lugar é muito mais sem graça e entediante. Não acham?

Antes de começar qualquer coisa, é importante definir qual mala levar. Comece fazendo perguntas simples para si mesma: quantos dias vai passar no lugar? Qual é o clima de lá no momento? Pretende fazer muitas compras e precisa de espaço livre para a volta? Qual será seu meio de transporte? Imaginar com antecedência em quais tipos de situações você estará ajuda muito na hora de escolher o tipo da mala (de carrinho, de mão, mochila…).

Agora, calma. Começar a tirar toda e qualquer coisa do armário não vai adiantar em nada e isso pode te deixar apenas mais nervosa com a situação.  O que mais me ajuda nessas horas de crise é fazer uma lista de tudo que eu não posso esquecer.

Edit_01

Com o tempo, aprendi que se eu dividisse essa lista em “seções” e depois fosse apenas preenchendo com a quantidade e o tipo da roupa que eu pretendia levar isso facilitava ainda mais as coisas.

Vamos começar com a parte importante: roupas. Você pode subdividir essa seção da forma como preferir, até porque isso varia um pouco dependendo do lugar para onde está viajando. Aqui embaixo tem um exemplo de como fiz a minha:

Roupas:

Dia a dia
– 7* camisetas/blusinhas
– 1 legging básica
– 1 legging de exercício
– 3 calças jeans
– 3 vestidos
– 2 casacos
– 2 shorts

* A quantidade varia de acordo com o período que você vai ficar fora, pense nisso e não exagere! Além disso, se estiver pretendendo comprar novas roupas (como é o meu caso) você não precisa encher a mala para ir.

Noite
– 2 vestidos de noite

Íntima e pijama

– Calcinhas
– Sutiãs
– 1 camisola
– 1 pijama
– 4 meias
– 2 meias-calças

Enquanto estou separando as roupas no armário, já gosto de ir pensando na combinação e também em peças coringas que podem ser usadas de várias maneiras. Assim não fico refém de um único look, até porque nosso humor sempre muda e você pode mudar de ideia sobre uma roupa alguns dias depois.

Em seguida, gosto de passar para a organização dos sapatos. Tento não pensar em muitas opções de cor e sim em opções versáteis que também posso combinar com mais de uma roupa.

Sapatos*:

– 1 Tênis
– 1 Chinelo
– 2 Sapatilhas
– 1 sapato de salto
– 1 Bota

* Lembre-se, isso é apenas uma ideia. Se você estiver indo para a praia troque a bota e as sapatilhas por alguma sandália, rasteirinha ou o que preferir!

Edit_02

Agora vem a parte que eu mais gosto de arrumar na mala! Produtos de higiene pessoal e minha tão amada maquiagem ( ❤ ).

Minha pele é mista e geralmente me dá um pouco de trabalho, principalmente em dias mais frios e secos já que a zona T fica um pouco mais oleosa e as bochechas ressecadas. Sendo assim não posso ficar sem meu hidrante. Além disso, não fico sem protetor solar durante o dia e portanto essa listinha é essencial (e a mais divertida!) para mim:

Higiene:

– Escova e pasta de dente
– Fio dental
– Desodorante
– Shampoo e condicionador
– Absorvente
– Lencinho demaquilante (acho mais prático de carregar do que os produtos que geralmente uso em casa)
– Sabonete
– Protetor solar
– Hidratante para o rosto

* Não se esqueça de acrescentar produtos específicos se estiver usando algum recomendado pela sua dermatologista.

Normalmente eu levaria muita maquiagem para essa viagem, mas por se tratar de Nova York e por eu estar planejando comprar novas coisas por lá separei o básico para o dia e a noite:

Maquiagem:

– Base
– Blush
– Corretivo
– Escovinha/fixador para sobrancelha
– Batom básico
– Batom para noite
– Pincéis
– Sombras básicas ou paleta de sombras com bastante opção de cor
– Rímel

* Tentei pensar em maquiagens que eu realmente uso e sei que vou usar todos os dias. Não sou fanática por lápis e posso abrir mão do meu delineador por alguns dias para poder comprar novas coisas por lá, mas faça essa lista pensando em você, no seu estilo e no que você pretende e sabe que vai usar. Assim a mala não fica tão pesada, mas você também não se sente “desamparada”!

Acessórios:

– Prendedores de cabelo (vários, porque eles têm vida própria e desaparecem!)
– Grampos ou presilhas
– Escova de cabelo
– Duas ou três opções de brinco
– Duas ou três opções de colar
– Cintos
– Lenços ou cachecóis

* Acrescente anéis, pulseiras e outras coisas que costuma usar, ou tire coisas da lista que com certeza você não irá precisar.

Úteis:

– Adaptador de tomada (se estiver saindo do país)
– Remédios
– Caderninho e caneta (se você também gostar de escrever loucuras por aí)
– Carregador de celular
– Tesourinha
– Lixa de unha
– Bolsa menor para sair à noite

E para a bolsa de mão as coisas essenciais e que não podem, ou não devem, ir na mala normal:

Bolsa de mão:

– Documentos
– Carteira
– Passagem
– Roteiros
– Pasta com informações extras e vouchers
– Óculos de sol
– Notebook
– Câmera
– iPod
– Livro
– E um protetor labial porque, eu não sei vocês, mas o ar condicionado do avião sempre me deixa com a boca seca.

Uma outra dica interessante para quem pretende fazer bastante compras na viagem é levar uma mala, daquele tipo sacola, vazia para pode dividir o peso na volta.

E agora a parte final, como guardar tudo isso?

Gosto de colocar os sapatos em saquinhos individuais e colocar no fundo da mala. Em seguida coloco as roupas mais pesadas, como casacos e calças jeans. As roupas íntimas guardo no bolso interno da mala junto com as meias. E depois disso vou colocando tudo dobrado por cima deixando por último as roupas com tecidos mais “chatinhos” e que podem amassar.

As maquiagens coloco em um nécessaire e os produtos de higiene pessoal em outro. E, aos poucos, tudo vai se encaixando na mala. Essa parte sim requer um pouquinho mais de paciência, mas como tudo já foi pensado antes, todo esse processo acaba não sendo tão frustrante e irritante quanto costumava ser.

Edit_03

Aproveite a lista para fazer um checklist e ter certeza de que não esqueceu nada!

Ajudei?

Espero que tenham gostado!

Crise do armário cheio

004_edit

Tirei o dia hoje para encarar a Crise do armário cheio. Tenho certeza que vou trazer muitas roupas da viagem e que, quando voltar, não ia conseguir guardar nada e muito menos encontrar alguma coisa com o armário lotado. E todo mundo sabe bem qual é a crise que isso traz depois, né? “Não tenho nada para usar”! E isso não é bem verdade…

Comecei pelos sapatos porque, apesar de ser mulher, eles não são o meu vício e achei que seria mais fácil. Acho que uma boa dica para quem resolver fazer um dia de faxina no guarda-roupa é começar pela parte que vai dar menos trabalho. Assim a gente não desanima e vai logo se empolgando para ver tudo arrumado e menos afogado.

001_edit

Depois de mexer nos sapatos fui para os lenços, cachecóis e acessórios e só depois comecei a mexer nas roupas mesmo. Reparei então que além de muita coisa velha, em mal estado ou que eu tinha “dó” de dar embora, eu também tinha muita coisa nova e boa que eu simplesmente enjoei ou me arrependi de ter comprado e escondi de mim mesma lá no armário.

Agora, o que fazer com tudo isso?

Separei algumas alternativas que gosto bastante:

  1. A boa e velha doação! Separe peças que estão em bom estado e que podem servir para alguém que precisa. Lembre-se: em bom estado, hein?
  2. Se você quiser ganhar um dinheirinho com algumas peças que ainda tem etiqueta ou que estão em boas condições o Enjoei é uma ótima dica para isso! Para quem não conhece o site a ideia é simples: enjoou? Vende! O site tem muita coisa legal à venda e vale a pena dar uma bisbilhotada.
  3. Se você tiver habilidades com agulha, linha e máquina de costura (o que não é o meu caso) por que não customizar suas roupas e dar uma cara nova para aquela blusa sem graça? O Brechó Novo Pra Mim, além de vender roupas, lançou a ideia do Reprojeto. Vejam só a cara nova que essa camisa masculina ganhou:http://www.youtube.com/watch?v=Z3oHbxmgUZw

Desse jeito não tem desculpa para esvaziar o armário e, além disso, fica tudo organizado e a gente fica com a consciência menos pesada para comprar roupa nova, né?

002_edit

003_edit

Espero que tenham gostado!

Beijos 😉

Planejando mudanças!

Photo by ₢ Thaís Marin

Photo by ₢ Thaís Marin

Quando a gente está em crise precisa fazer o quê? Comer um hambúrguer triplo com direito a batata frita e sorvete. Superar! E uma ótima maneira de superar é fazendo novos planos.

Planejar mudanças requer um pouco de autoconhecimento, mas calma! Não precisa entrar na crise do “socorro, quem sou eu?” até porque a resposta para essa pergunta pode variar dependendo do dia ou do período do mês. Você só precisa se perguntar: o que eu quero fazer e o que é bom pra mim?

No meu caso, depois de passar quatro anos sem férias e ter que sair de repente de um emprego que eu amava, resolvi que precisava de novos ares antes de buscar novas opções, e me dei de presente uma viagem para Nova York.

E sim, gente. Vou sozinha! É possível ter experiências maravilhosas quando se viaja sozinha.

  • Você decide seu destino e exatamente o que e quando fazer.
  • Planeja os roteiros do seu jeitinho sem ter que ficar negociando horários e lugares com ninguém.
  • Passa horas fazendo compras sem que ninguém te apresse.
  • Cria memórias e vínculos afetivos com um lugar novo e com um ponto de vista todo seu.
  • E pode passar mais tempo consigo mesma e com seus sentimentos para aprender a se ouvir melhor. Afinal de contas, quem passa mais tempo nessa vida com você é você mesma, e essa relação TEM que ser boa.

Claro, muita coisa pode dar errado, mas a ideia é aprender a ver o lado bom da vida! Além disso, se a gente não der a cara a tapa e experimentar novas dificuldades, quem fará isso por nós?

Imagine que a sua vida é um livro e que você é o único que pode preencher as páginas em branco. E aí? O que você quer viver?

Confesso que planejar uma viagem totalmente sozinha está me trazendo novas e novas crises: e se eu me perder? O que eu faço primeiro? Qual lugar é melhor visitar? Monto um roteiro antes ou deixo a vida me levar? Passagem? Cartão de viagem? Comprar dólar? Lista de compras? Seguro de viagem? Conexão de voo? Quantas malas? O que levar na mala? Ai meu Deus: a mala (só essa vai dar um post inteirinho semana que vem) !!!

Tentei fazer tudo sozinha pelo site da Decolar.com e confesso que não me senti tão segura já que vai ser minha primeira vez na cidade. Resolvi então buscar uma agência de viagens para me ajudar e optei pela CI, Central de Intercâmbio, até porque fiz intercâmbio com eles em 2006. Ou seja, já viajei sozinha antes e com apenas 16 aninhos. Hoje olho pra trás e penso que foi uma grande loucura, mas também tenho certeza que foi uma das melhores experiências da minha vida.

Comprei o pacote City Breaks e adicionei algumas noites extras. Além disso, aproveitei pra encaixar uma passagem até Richmond, capital do estado da Virgínia, que foi onde eu morei em 2006 para poder visitar algumas pessoas que eu morro de saudade!

O frio na barriga não passa e a ansiedade já está transbordando, será que sobrevivo até o dia do embarque?

E você? Qual é a sua crise de hoje e o que quer fazer com ela?

Vamos falar de crise!

Photo by ₢ Thaís Marin

Photo by ₢ Thaís Marin

O dicionário traz alguns significados muito interessantes para a palavra crise:

  • Estado de súbito desequilíbrio mental ou emocional;
  • Fase difícil na evolução de um processo ou situação;
  • Estado de incerteza ou ruptura em relação a escolhas, crenças e etc.;
  • Surgimento ou manifestação repentina de um sentimento;
  • O mesmo que crise dramática.

E em momentos de crise, a palavra “doce” costuma dançar bastante dentro da minha cabeça com apenas um significado: chocolate.

Mas não foi para falar da minha compulsão por doces que eu vim aqui (pelo menos não hoje). Foi para falar que “estado de incerteza ou ruptura em relação a escolhas” e “manifestação repentina de um sentimento” foram justamente as razões que me trouxeram até aqui.

Só que não foi apenas um sentimento. Foi um acúmulo de pequenas crises que eu resolvi colecionar nos últimos quatro anos. Eu quis tanto ser mais do que eu era que acabei matando pequenos detalhes de mim que me faziam ser… eu!

Morar em uma cidade insana como São Paulo, enfrentar o caos do transporte público (ou do trânsito) todos os dias para ir trabalhar, e apenas o simples fato de ser mulher nos dias de hoje, pode ser bastante destrutivo se a gente não souber como lidar com as crises. Sejam elas pequenas ou grandes! Estou falando daquela espinha que aparece no meio da sua testa em um dia superimportante, da calça que não fecha mais, de perder o emprego dos sonhos ou até mesmo de uma morte na família.

A vida é feita de crises, mas e se elas não precisassem ser tão amargas?

Esse blog surgiu de uma crise e da minha vontade de mostrar para o mundo que mesmo depois que a gente sofre e faz um drama, a vida ainda é linda e apresenta milhares de novas opções para continuar! No melhor estilo “sacode a poeira dá a volta por cima”.

Vamos lá?

Aqui a gente vai falar da vida, vai rir e vai chorar. Vai falar de crise e de como contornar! Vai falar de viagem, de música, de livros, de maquiagem e de saúde e bem-estar que são todas as pequenas coisas que a gente precisa pra seguir em frente.

Quem aí já teve uma crise hoje?